2 de jun de 2009

Meu sorriso nervoso, constrangido


Quando eu era criança, chamava nuvem de luvem. E tinha um problema grave com a idéia de hierarquia, colocava-me no lugar das chamadas "pessoas invisíveis" e sofria, sofria muito. Sempre que ocorre um acidente aéreo, eu sou obrigada a reavaliar uma das premissas básicas daquela que sou: minha fé em Deus. Alguns de vocês, podem me interrogar: que Deus é esse que aniquila famílias e impede a concretização de tantos sonhos? Diante da resposta impossível, apenas ofereço um sorriso nervoso, constrangido. Não, não sou Jó. E sofro, sofro muito ao ver, na televisão, o desespero dos parentes das vítimas. Portanto, resta-me apenas a necessidade de alguns dias de silêncio. E, sim, este post que escrevo de luto. É duro, mas devemos admitir: nem mesmo a literatura é capaz de nos salvar das dores terríveis deste mundo.

17 comentários:

aeronauta disse...

enquanto isso, o mundo prossegue, e a televisão exerce seu mais cruel sadismo.

Marcus Gusmão disse...

Quebro aqui a jura de não ler mais nada nem comentar mais este assunto,que provocou uma overdose de informação. Quebro porque entendo sua empatia, é ela que me pega também em todas as tragédias alheias. Também perguntei por Deus outro dia quando vi um cara comendo lixo, sofregamente, na Carlos Gomes.

Chorik disse...

Deixando claro que não pretendo convencer ninguém, só consigo entender Deus pela doutrina espírita. Justiça, misericórdia e amor, atributos intrínsecos a qualquer definição de Deus, só podem ser encontrados em episódios como esse e tantos outros quando sabemos não ser essa a nossa verdadeira vida, mas apenas um estágio de algo muito maior. Que em outros planos tudo se desenvolve, tudo continua, tudo evolui, que os que foram e os que ficam aprenderam algo com as tragédias particulares e coletivas. Que somos responsáveis pelas nossas próprias dores na exata medida da dor que infligimos a outros em épocas passadas. Tudo tem um objetivo, uma motivação, um benefício oculto. Se não aceitamos isso, não existe Deus. Ou pelo menos não há um que eu possa amar.

Bjs e desculpe se exagerei na pregação.

Lidi disse...

Renata, tenho tanta fé em Deus que nem sei o que comentar. Acho que oferecerei, também, apenas um sorriso nervoso e constrangido.

Andréia M. G. disse...

Lamento muito pela tragédia ocorrida. Acredito que essa é uma das piores formas de perder a vida. Triste mesmo... Muitos sonhos realmente foram roubados. Mas não vejo Deus como culpado. Não creio que devemos atribuir-lhe a culpa pelas tragédias humanas... Mas não vou comentar muito sobre o que penso a respeito, pois Deus é um tema bastante complexo e particular (na minha opinião).

Bj!

Carina Gabriele. disse...

Fé, fé e fé.
É o necessário para viver. E, em tragédias como essa, ela deve ser mais forte e inabalável ainda, mesmo que tudo tenda ao contrário.

"É duro, mas devemos admitir: nem mesmo a literatura é capaz de nos salvar das dores terríveis deste mundo." =/

Chorik disse...

Renata, fico à tua inteira disposição para te repassar o que sei, indicar livros sobre o tema, o que preferir, ok?
Abs

Janaina Amado disse...

Um beijo grande, Renata, também estou muito triste.

Herculano Neto disse...

Nem Deus, nem a Literatura, nem o Silêncio... a Dor ainda é mais forte.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

O Deus que entregou seu filho unigênito para ser morto por um bando de miseráveis sacerdotes, o Deus que tentou destruir o Egito só porque o Faraó não quis conta com sua divindade, o mesmo que deixou o Diabo pintar o Diabo com Jó só pelo prazer de humilhar o Diabo, o mesmo que destruiu Sodoma e Gamara por não suporta a felicidade alheia.
O mesmo que deixou a Igreja queimar tanta gente só por não querer saber de liberdade para nós.
O mesmo que aumentou a dor do parto das mulheres por invejar a felicidade de Eva.

Mirdad disse...

E o Maranhão, Piauí, Ceará? Nenhuma lágrima?

Renata Belmonte disse...

De Deus ou minha?
Devo estabelecer cotas para o meu sofrimento? Chorar em público todas as desgraças do mundo para parecer politicamente correta?

Mirdad disse...

"Deus" te livre de parecer politicamente correta!

joao~grando disse...

Porque não podemos ser salvor. E a morte não é ruim. A vida tem de ser lutada, difícil - a dor é um extremo para ser constrastado.

Viviane Costa disse...

Amiga,

se Deus é misericordioso como a gente aprendeu na escola, nosso lugar (o dos politicamente incorretos) tb está garantido no Céu.

Beijocas.

Ah, amei essa foto nova!

Rafael Italo disse...

Quem castiga nem é Deus, é os avessos" Guimarães Rosa

Gal disse...

Acredito que o mundo está numa desarmonia por conta da maldade humana, portanto não responsabilizo Deus por tudo. E respondendo ao Marcos Gusmão. Ele disse que perguntou por Deus outro dia...
-Deus está em você, portanto, da próxima vez faça alguma coisa.

Lamento tmb o acidente!