27 de jan de 2008

Queriam-me casado, fútil, quotidiano e tributável?

Lisbon Revisited (l923)
Alvaro de Campos
(...)
"Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da técnica.
Fora disso sou doido, com todo o direito a sê-lo.
Com todo o direito a sê-lo, ouviram?
Não me macem, por amor de Deus!
Queriam-me casado, fútil, quotidiano e tributável?
Queriam-me o contrário disto, o contrário de qualquer coisa?
Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade.
Assim, como sou, tenham paciência!
Vão para o diabo sem mim,
Ou deixem-me ir sozinho para o diabo!
Para que havemos de ir juntos?"
Ah... Sou doida com todo o direito a sê-lo. Com todo direito a sê-lo, ouviram?
Post em homenagem a Personagem Principal, Aeronauta, O e Ricardo Belmonte. Que sempre me mostram que não há maior loucura que a extrema lucidez.

24 de jan de 2008

O sapato perdido da Senhorita B


Antes eles ficavam folgados. Me custar pensar quanto tempo já se passou. Na semana passada, tentei inutilmente calçá-los. E acabei me dando conta que perdi o momento exato, não sei exatamente em qual dos meus passados meu pé foi trinta e quatro. Calos e dores me mostraram que nem sempre podemos insistir, há coisas que simplesmente não podem ser. Eu sou seus vestígios. Você: sempre a personagem principal. Mãe, esse é o meu jeito de dizer que amo muito você.


Foto: O sapato perdido da Senhorita B. Por Lucas Faillace.

19 de jan de 2008

Onde está Wally?


Ainda não sei... Mas meu paradeiro em janeiro está bem mais fácil e acessível do que o dele:

PS: Quando o acharem, me escrevam. Nunca fui boa nesse joguinho.

16 de jan de 2008

Post especialmente feito para gente sem noção:


Pede para sair, 01!

Porque tudo tem um limite.

6 de jan de 2008

Até 13 de fevereiro...


O Vestígios está fechado para balanço.

3 de jan de 2008

Pânico de semi-conhecidos


Conversando hoje ao telefone com Personagem Principal, descobri que sofro de uma síndrome chamada pânico de semi-conhecidos. Os sintomas? Fico nervosa todas às vezes que encontro casualmente um ex-colega de faculdade com quem não tenho muita intimidade. Odeio dividir o elevador com meus vizinhos, nunca sei o que dizer. Sempre que vejo algum amigo de um amigo com quem jamais travei diálogos, me desespero. Não, eu não sou tímida. Me relaciono bem com pessoas conhecidas e desconhecidas. Peço informações na rua sem maiores problemas. Mas a simples possibilidade de ter que falar com seres que conheço pouco, me causa calafrios. Sim, isto é pânico de semi-conhecidos.

No Natal, o shopping estava repleto deles. Imaginem que tortura! Acenos desastrados, sorrisos amarelos e ois não recíprocos marcaram minhas compras. Além disso, recebi um e-mail de uma semi-conhecida dizendo que eu era muito importante na vida dela. Como assim? Mal nos vimos nos últimos anos! Devo eu retribuir sua gentileza? Mas fazer isso não seria falsidade?

Meu Réveillon perfeito seria ao lado do meu namorado, dentro da minha casa. Compraríamos alguma comida, celebraríamos a chegada do novo ano e iríamos dormir sem termos passado pelo desnecessário ritual de abraços forçados com semi-conhecidos. Mas não foi isso que aconteceu. Não é que meu pai, na melhor das intenções, comprou ingressos de uma dessas festas bombadas para nós?

Enfim. Perto da meia-noite cogitei me esconder no banheiro. Mas achei freak demais. E acabei me abraçando com os filhos das amigas de minha mãe, com o neto de um ex-colega de trabalho de meu pai, dentre outras criaturas...

Bom, eu realmente desejo para todos os meus semi-conhecidos um 2008 cheio de realizações. Mas espero não reencontrá-los no shopping ou em qualquer outro lugar tão cedo.