7 de dez de 2008

Nossa Senhora das Asas de Borboletas


Quase todas as noites, naqueles instantes em que lutamos para não adormecer, três histórias, invariavelmente, tomam conta dos meus pensamentos. E, hoje, escolhi falar de uma delas. Faço isso, porque ainda não encontrei uma explicação razoável para o fascínio que ela exerce sobre mim. Faço isso, porque preciso dividir minha perplexidade, expor esta dor que ainda não conheço o nome.
Em julho deste ano, pouco antes da minha mudança, meus pais retornaram de uma longa viagem. E, enquanto eu observava minha mãe desarrumar suas malas, um pedaço de cartolina que estava entre suas roupas, chamou minha atenção. Perguntei o que era aquilo. Imediatamente, ela respondeu: era uma imagem de Nossa Senhora. Preparem-se para ouvir uma das histórias mais tristes que já escutei.
Minha mãe caminhava pelas ruas de Praga, quando foi abordada por uma mulher. Esta lhe implorou ajuda, pediu que comprasse uma das imagens que tinha nas mãos. Custaria apenas três euros. Minha mãe assentiu. E acabou adquirindo um pedaço de cartolina, onde estava representada uma Nossa Senhora. Sim, até este ponto, esta parece uma história comum, corriqueira para nossa realidade. Não fosse o fato de a imagem ter sido confeccionada pelas crianças miseráveis do deserto da África, crianças que nada tinham para comer, crianças que precisavam de forma desesperadora daquele dinheiro. Crianças que, por não terem a quem recorrer, passavam seus dias caçando borboletas e, após matá-las, retiravam suas asas para servirem de matéria prima para as imagens das santas que precisavam representar.
A fotografia acima não faz jus à imagem. Seu colorido é intenso, vibrante, vivo. E sempre que a observo sinto uma dor física, um incômodo terrível. Porque ela representa a morte, o desespero, é mistura de gritos. Porque, mesmo com tudo isso, ela possui rara beleza, é arte de primeira, dessas que é muito difícil de encontrar.
Denominei a imagem de Nossa Senhora das Asas de Borboletas. E escrevi uma pequena oração:
Nossa Senhora das Asas de Borboletas, tão cheia de beleza
Preciso dizer: uma vida não se faz apenas de perdas
E de nada adiantam palavras, ou mesmo, o sacrifício da natureza
Se os que tanto precisam não recebem o seu olhar
Nossa Senhora das Asas de Borboletas, é muito difícil estar vivo
Portanto, acabe com nossos medos
Ouça os apelos e gritos
Nossa Senhora das Asas de Brorboletas, não queremos retirar as asas dos outros
Para podermos sonhar
Um Feliz Natal para todos e um excelente 2009. Resolvi tirar férias:)

18 comentários:

Janaina Amado disse...

Bonita a sua prece!
Um Natal e um 2009 ótimos para você, com sonhos se realizando.

Luíza disse...

Renata.. que texto lindo.. totalmente real.. adorei a tua oração também!
Beijos =)

aeronauta disse...

Quem escreve algo tão humano assim é mesmo, de fato, uma pessoa grandiosa!
Lindo o seu texto.
E obrigada pelas palavras sempre acolhedoras.
Felicidades!!

M. disse...

Adoro orações. Adorei a sua. E a história. Tudo de bom. Beijos, M.

Jana disse...

Nossa.
Toda vez que vejo coisas como essa, minha voz embarga e eu tenho vontade de chorar.
Senhor, piedade de todos nós.

Um beijo Renata.
:)

Maria Muadiê disse...

Muito bonita a sua prece, e a história da Nossa Senhora é tão humana, ligando pessoas de diferentes continentes.
um beijo

Grupo URI disse...

Olá Renata, sou Glauce Souza aluna de José Inácio Vieira de Melo. Ele está estagiando na minha sala, ensina a disciplina Teoria da Literatura, turma de letras da UESB em Jequié-BA, e foi através dele que te conheci. Ele nos recomendou um conto com o título: A mesma de tempos atrás, algo familiar? rsrsrsrsrs
Fizemos uma ótima discussão hoje na sala sobre este conto. Acabei saindo fascinada com a sua forma de escrever. Gostaria de conhecê-la mais.
Sugiro que me presentei neste natal com 2 livros seu. Um para mim e outro p uma amiga.
Poxa nunca fui tão cara de pau, desculpe, mas é isso mesmo que quero.
Meu e-mail é geracaokk@hotmail.com

Luli Facciolla disse...

Renataaa....
Um dos textos mais lindo que já li!
Sem palavras!

Boas festas e férias pra vc!

Um 2009 com o pé direito pra todos nós!

Beijos

anjobaldio disse...

Ôi Renata, sua oração é linda. Vamos esperar que 2009 seja um ano maravilhoso para todos nós. Bjs.

José Ricardo da Hora Vidal disse...

Cara Renata. Perdoe-me se eu não ter lido a oração até o final. Mas a história que você contou é de cortar o coração em meio as lágrimas. Somente uma poetisa para falar de algo tão triste e com tanta beleza, encanto e delicadeza... Um bom Natal para você. Ricardo Vidal

Clara Mazini disse...

O que mais me espanta é a banalização de fatos tão revoltantes como esse. Se importar virou reação rara.

Fiquei impressionada com a história das borboletas. Ela é dura, real, e ao mesmo tempo parece mentira, né? Chegamos ao limite, imagino.

Bernardo Guimarães disse...

Prima 2:
ao consultar meu médico particular, coisa que faço diariamente, ele, Dr. Alzheimer,me convenceu que eu já havia comentado esta postagem. Ele está gagá! Vc sabe que sou seu fã nº00, tudo que vc escreve é lindo, e ainda consegue se superar.Sua prece é comovente.
Amém.

Pedro disse...

Naty Bel,

Realmente triste isso.. como se pode acabar com vidas em nome de Nossa Senhora?
Ei, não tire férias não!

Beijo!

Cami disse...

Nossa!
Se essa imagem desenhada por estas crianças pudesse realizar desejos eu pediria uma coisa:
Que as borboletas desse uma família de bem a cada uma dessas crianças, uma família que pudesse dar escola, comida, futuro para esses pequeninos.

Fiquei com o coração na mão!

Que blog show de bola!

Bjão!

Imcompreendida disse...

Amei a oração, Renata...

Feliz Natal pra ti também!!!

Um abraço,

aeronauta disse...

Oi, Renata, respondendo à sua pergunta: ando meio sem-graça com a vida. Obrigada pela preocupação e carinho. Abraços.

maria guimarães sampaio disse...

sem palavras

Renata Belmonte disse...

Agradeço o carinho de todos.
Bjs