23 de out de 2008

Mc Topic da Alegria


Um pouco mais da metade da década de noventa. O início da minha adolescência. O tão desejado fim da minha infância. Trilha sonora? Música grunge (E, sim, apesar da vergonha, vou admitir: um pouco de Gera Samba. Não esqueçam: eu era uma adolescente baiana!). Uma nova escola, esperanças renovadas? Já devo ter dito que só comecei a entender o sentido da palavra felicidade na faculdade. Mas devo justiça: na Topic da Alegria fui também feliz.

Eu morava muito longe da nova escola. Portanto, meus pais contrataram uma Topic para me levar. Mal eu sabia que aquela idéia que eu tanto rejeitava se tornaria a melhor lembrança que guardo daqueles tempos.

Sempre fui uma menina considerada madura, equilibrada. Vivia enfiada nos livros. Talvez por não ter convivido com outras crianças, achava besta qualquer brincadeira. Mas, no primeiro dia do transporte, fui apresentada para Manuela, Claudia, Patty Beijo, Mariana, Pedro Bó e Bigodeira(outro dia conto sua história), dentre outros. E isso mudou de forma radical a concepção que eu tinha sobre mim mesma.

Logo na primeira semana, Claudia retirou os plásticos que cobriam os bancos e sugeriu que colocássemos na cabeça. Para que? Ela havia colado nos vidros o seguinte aviso: Instituto Pestalozzi (ou algo do tipo, não me lembro exatamente). Num primeiro momento, me recusei a entrar na brincadeira. No entanto, minutos depois, estávamos todos, sem exceção, com os plásticos na cabeça e nos batendo contra os vidros. Os motoristas dos outros carros olhavam aterrorizados. O motorista da Topic (Bateggs) ameaçou ligar para nossos pais. Sim, talvez fóssemos mesmo retardados (sorry, pessoas politicamente corretas). Mas eu nunca havia me divertido tanto na vida.

Quantas vezes Mariana ameaçou com um isqueiro colocar fogo na Topic caso o motorista não nos levasse para Mc Donald's? Cometemos muitos sequestros! Quando não tínhamos grana suficiente, Claudia saía cantando de mesa em mesa para recolher dinheiro. E, apesar de algum constrangimento, acabava tudo valendo a pena, nosso lanche sempre era garantido.

Muitos foram os bons momentos. Mas os anos passaram e cada um foi para seu lado. Não sei o que aconteceu com Bigodeira. Patty Beijo virou uma boa médica. Pedro Bó é advogado. Cláudia, hoje em dia, é Claudia Leitte. Mariana se tornou uma respeitável analista de sistemas e, segundo eu soube, é leitora deste blog.

Algumas promessas daquela época, todas muito ingênuas, não se cumpriram. Anos atrás, no pátio da faculdade, encontrei com Pedro Bó. Conversamos rapidamente sobre o passado. Senti saudade daquela que fui. Não, eu não tenho fotografias da Topic da Alegria. Não, não sou a mesma de tempos atrás. Mas, como consolo, ainda restam palavras e sonhos para mim.

14 comentários:

Antonio Sávio disse...

Belíssimo texto. Conseguiu fazer nascer em mim uma nostalgia de uma situação que não viví. Parabéns pelo blog.
Beijos.

Bernardo Guimarães disse...

Ô Renata, que texto lindo! as molequeiras são de lei e não fique constrangida por ter sido fã de Gera Samba; meus ídolos de infancia são inconfessáveis!

Luli Facciolla disse...

ahahahahahaha!
Vivi a mesma coisa!
A Topic que me levava pra casa era massa! Mas a gente não sequestrava...
ahahahahahaha

Muito bom!

Beijos

Flamarion disse...

Adorei tudo isso!
Beijo.

Ricardo Thadeu disse...

Renata Belmonte cometendo delitos... hehehe
Gostei, gostei.


Até.

Anônimo disse...

Vc é até bonitinha, mas deveria ter alguma coisa na cabeça para poder escrever, minha filha. És tão bobinha. Será que vivendo com mais reflexão não aprofundaria seus textos?
Renato Souza.

anjobaldio disse...

Bons tempos!

Renata Belmonte disse...

Obrigada, queridos!
Bjs

aeronauta disse...

Oi, Renata, ontem finalizei meu semestre. Isso quer dizer que agora vou ter tempo possível para apreciar seu conto. Te escrevo.
P.S.: Gostei de suas histórias da infância. Conte mais pra gente.

Gerana disse...

Leitura deliciosa!

Gerana disse...

Leitura deliciosa!

Pedro disse...

Aposto que a Topic não tinha ar-condicionado e era aquele calor escaldante de meio-dia. E vocês, junto com a louca da Claudinha, adornados com saco plástico na cabeça.
Eu se fosse o motorista da van não levava na Mc não. Largava vocês no Pestalozzi mesmo.
Bjo!

Mariana Cintra disse...

Renatinha,

Sem palavras para traduzir a minha emoção ao ler o seu texto e mais ainda por participar dessa história!!
Foram momentos inesquecíveis!!!

Sou leitura assídua do seu blog!!
Parabéns!!

Renata Belmonte disse...

Mari,
Que alegria! Hoje mesmo, num salão de beleza daqui de SP, conheci uma garota da Jovem Pan que estava indo encontrar com Cláudia. Achei muita coincidência! Mandei ela falar para Cláudia que a galera da Topic ainda está esperando a homenagem!(rs)
Adorei vc por aqui!
Bjs