15 de mai de 2009

"A perfeição e o sucesso são fraudes a que não temos de almejar."


Veja: Na sua autobiografia, a senhora fala abertamente de temas como a sua bulimia e o fato de sair em busca de prostitutas para fazer ménages à trois e assim agradar a seu primeiro marido, Roger Vadim. Por que essa franqueza?

JF: A idéia não era falar dos meus problemas alimentares e conjugais de forma salaz. Mas que importância teria o livro se eu não fosse 100% honesta e só tratasse do que aparento ser? Isso é o que se encontra na maioria das biografias de celebridades: uma reafirmação das aparências e de inverdades. Chega dessa bobagem. Meu objetivo é o oposto. É mostrar que as pessoas traem a si mesmas por insegurança. A perfeição e o sucesso são fraudes a que não temos de almejar.
(Trecho da entrevista concedida por Jane Fonda para as páginas amarelas da Veja)

12 comentários:

Bernardo Guimarães disse...

Bárbara-ella!

Mirdad disse...

O sucesso não é fraude. É oportunidade de continuar produzindo. E a perfeição está encruada no gene mais profundo dos produtivos. É o norte. O foco. Sem este, o marasmo agride. Mas não derrota o ânimo, jamais.

Viviane Costa disse...

Isso era tudo o que eu precisava "ouvir" hoje. Obrigada, amiga!

Beijocas!

Renata Belmonte disse...

Mirdad,
Acho que o sucesso a que ela se refere é o ideal de perfeição absoluta que aprisiona, condiciona, que causa o vômito. O sucesso vazio que se pretende ser causa de felicidade, que busca ser motivo de todas as coisas. Não é um estar bem consigo, mas um estar bem diante do olhar simbólico deste "outro" que não passa de nós mesmos.
bjs

Mirdad disse...

Renata,

Tudo bem, compreendo esta visão. Mas o que me deixa intrigado é que, quando alguém está imerso nesse sucesso "vazio", ele está prenhe de sua "verdade". Esta fraude que ele vive é só para quem está de fora, e quer condicionar assim. E no fim das contas, para o ilusionado, o sucesso é farto, denso e compensatório.

E por mais que tentemos furar a bexiga e deixar o ar romper o vazio, às vezes a Matrix está tão bem entranhada no sistema de defesa que, ainda sim, a fraude será real; o absoluto amparo, sustentáculo.

Mas isso é só uma intriga.
Deixemos que todos (os que queiram e tenham como) escancarem os armários e compartimentos secretos.

Eu mesmo só retraio o que possa vir a ser um artifício de manipulação.

Maria Muadiê disse...

adoro biografias e autobiografias. tenho muita curiosidade sobre os humanos.
bjo

maria guimarães sampaio disse...

Renata, gostei, grata por me odertar a frase de Jane Fonda.
Beijos de Maria

Lidi disse...

Concordo. Claro que devemos almejar o sucesso quando nos dedicamos muito para obtê-lo. Ele se torna como um incentivo. No entanto, um sucesso ocasional. O sucesso absoluto, total, sem dúvida, é uma fraude. A perfeição humana é algo que não existe.

Janaina Amado disse...

Puxa, que coisa forte!
Renata, tô de volta ao blog, passei aqui pra um beijo e um abraço. Voltarei para ler mais textos seus.

Viviane Costa disse...

Combinado sim, senhora! Beijocas.

Ricardo disse...

oi...

famosos são seres humanos: fazem coisas de seres humanos, tem problemas conjugais, vícios, disturbios alimentares, gostos, como todo mundo...
o que acontece também é a exposição. quando alguma dessas caracterísitcas vêm a tona, o mundo inteiro fica inconformado como se aquilo fosse proibido (algumas vezes até são, mas pensemos no estritamente humano...).
trair a si mesmo, insegurança, tudo isso não é privilégio somente de Jane Fonda...

bjos

aeronauta disse...

Amiga, saudades de você!