11 de nov de 2007

As mulheres da minha vida









Quando criança, me perguntavam com insistência o que eu queria ser quando crescer. Hoje em dia, a pergunta mudou de palavras: O que você pretende fazer da sua vida? Bom, eu não tenho ainda uma resposta precisa para tal questionamento. Como explicar que possuo muitos sonhos e que são múltiplos e variados os planos que traço diariamente para mim?

Muitas são as nossas possibilidades de existência: acredito piamente nisso, desde a adolescência, quando mudava semanalmente a cor dos meus cabelos. Deste tempo, pouca coisa restou: foi embora meu macacão preto folgado, os cabelos cresceram, algumas posturas diante do humano se modificaram... Mas uma coisa permanece intacta e se reflete em quase tudo que escrevo: ainda nutro enorme admiração pelo sexo feminino.

Costumam dizer que mulheres não conseguem se relacionar bem entre si, que nossas relações são baseadas em inveja... Pura besteira. Se algum dia me perguntarem quem eu quero ser quando crescer, não terei dúvidas: citarei um por um os nomes das mulheres da minha vida.

Nas fotos: Eva, Renata e Jorge (que apesar de não ser mulher, merece estar neste post); Madonna; Erica e Joana; Clarice Lispector. Faltaram fotografias de: minha mãe, minha avô, minhas tias e primas, Lígia e Vanessa, dentre outras.

8 comentários:

Personagem Principal disse...

Ai, que bom! Vc sempre fazendo com que eu me sinta normal... Bjs.

Erica disse...

Naty,

Que lindo!!!!! Ameii!!!!
Muito bom ter você como amiga!!!
Lendo este post, relembrei várias passagens das nossas vidas!!! Que continuemos assim... Juntas e com muitas histórias para contar!!!!
Te amo muito amiga!!!
Beijão!!

Erica disse...

Ah... Só faltou vc falar que eu sou a melhor de todas!!! Não podia perder o costume, né??? hahaha
Bjoooo

fernanda disse...

Renatita!

O fim de ano está me deixando louca, por isso dei uma sumidinha (eu e os comentários bíblicos).
Adorei seu reencontro com o pequeno, e adorei,especialmente, esse post!
Sou suuuuuuuper suspeita pra falar de nós,mulheres. Sou fã de carteirinha da gente. Engraçado, já houveram momentos que eu me amaldiçoei por ter nascido com vulva e crises de choro, mas hoje,
não tenho como mentir: nasceria mulher, de novo, em mil encarnações.
Os homens são umas gracinhas também,claro, mas como bem fala Lygia Fagundes Telles " A gente entra no mesmo labirinto e sai como muito mais facilidade" hehehe.
Ah! e abra o olho com quem faz esse discurso que nossas relações são baseadas em inveja e competição.
Desconfio que, essas sim, não merecem confiança.
É isso, to de volta, saudades e beijos!

Renata Belmonte disse...

Bem-vinda de volta, Dona Fernanda!
Bjs!

Ricardo Belmonte disse...

voce esqueceu Meire!

Renata Belmonte disse...

Não meu caro... Escrevi recentemente um post só para ela!
Saudades gigantes!

Anônimo disse...

Sou eu! Sou eu! Sou eu! Que homenagem linda, amiga...
À nossa amizade! Hj e sempre.

Eva