18 de nov de 2007

Ameaça

Se nada de relevante começar a acontecer, juro que faço como a Senhorita B: coloco uma mochila nas costas, arrumo a mala e fujo. É certo que, em algum lugar, o trem da minha vida irá passar.

10 comentários:

Personagem Principal disse...

Faço das suas palavras as minhas. Bjs, Renatilda.

aeronauta disse...

Às vezes dá vontade de fazer a mesma coisa...

TARCISIO disse...

olá, estou conhecendo o seu trabalho agora através do livro femininamente. estou curtindo... quem me falou de vc foi meu amigo nelson magahães. até mais,

Renata Belmonte disse...

Obrigada pela leitura, Tarcisio! Você tem blog?

Maria Muadié disse...

Renata, quando a gente menos espera o extraordinário acontece.
bjo

Álvaro disse...

Hehe
eu achei divertido. Sabe o que imaginei?! uma adolescente de filme fugindo de casa e enfrentando as maiores aventuras. Meio clichê... mas qual o problema?

anjobaldio disse...

Lembrei-me de uma música do Raul Seixas "a hora do trem passar", me arrepio até hoje................ (você já ouviu?)

Anônimo disse...

Ei! Não fuja sozinha, amiga! Me chame que eu vou com você!

Voca

SANDRO ORNELLAS disse...

Engraçado: li que o trem da vida iria parar. Daí pergunto [olhar profundo e gesto carregado...]: já não se está num trem? [silêncio...]

SANDRO ORNELLAS disse...

Que nada, Renata! Você já está num trem... bala! Daí que o problema não é o trem passar e não parar, mas quando ele parar como você (nós todos) dentro... [coçando a barba, com ar filosófico...]