5 de nov de 2008

Go Obama!




Estive em Nova Iorque em agosto de 2007 e setembro deste ano. E, apesar do curto espaço temporal entre as duas viagens, pude perceber com clareza a enorme crise que se abateu sobre os Eua. Não falo unicamente da situação financeira. Trato do maior desafio do país: aceitar a alteridade como única forma possível de construção de uma nação melhor.
A eleição de Obama é o primeiro passo para a concretização desse ideal. Jamais imaginei ver um negro eleito para a presidência dos Eua. No racismo de origem, a segregação racial é notória, terrível. Fico encantada com esse homem que, apesar de todas as dificuldades, acreditou em si mesmo e foi se capacitar, algo que considero primordial para o exercício de qualquer profissão.
Obama não foi eleito por causa de um discurso de vitimização ou qualquer coisa do tipo. Obama foi eleito porque é um homem competente, preparado, carismático. Seu discurso não visa destruir ou ampliar dicotomias, mas, sim, o respeito às escolhas de cada um.
Sempre detestei política. Mas, pela primeira vez, apesar de não ser americana, me senti verdadeiramente representada. Sei que Obama é apenas um homem e não um candidato ao posto de santo. Posso me decepcionar. Mesmo assim, deixo aqui registrada a minha alegria no dia de hoje.

6 comentários:

Palatus disse...

Concordo em G,Nº e G! Mas desconfio de que tudo se mantenha como parece ser...afinal política é como inicio de namoro: no início tudo são flores! E em se tratando de estadunidenses, posso esperar de tudo.
Abraço
nilson

Jana disse...

Também fiquei feliz.
Este é o começo do recomeço.

:)

Personagem Principal disse...

Ah, eu faço coro! Tb fiquei muitíssimo feliz! Beijocas.

Críticas Criticáveis disse...

Concordo plenamente. A 40 anos atras nos EUA os negros nao podiam votar, hj Obama esta la no poder. Os EUA esta mudando e o mundo tb, ainda bem.

Carlos Vilarinho disse...

É Renata vamos ver... Primeiro calma mesmo acreditando de longe como estamos, de qualquer forma é uma mudança factual.

Bernardo Guimarães disse...

O que quero mesmo é dizer que O QUE NÃO PODE SER já está nas minhas mãos!
depois te conto!