9 de jul de 2007

Dos amigos desconhecidos da Senhorita B: O Profeta Gentileza ou Quando o circo se foi.


INTRODUÇÃO

Eu sempre costumo dizer: não fazemos amigos. Apenas os reconhecemos durante nossas andanças pelo mundo.
Sorte daqueles que conseguem se cercar, desde cedo, de gente querida. Porque houve um tempo em que a Senhorita B. se sentia muito só. Era apenas em sujeitos desconhecidos, seres que cruzavam com ela em filas de banco ou consultórios médicos, que encontrava algum tipo de delicadeza. As pessoas com quem convivia eram superficiais, não gostavam dela de verdade. E todas as vezes em que tentava se encaixar, acabava perdendo pedaços preciosos de si mesma.
Mas eis que o fim da adolescência lhe trouxe uma grande revelação: a população mundial era muito maior do que o número de alunos do seu colégio! E, sim, existiam outros com propósitos e valores semelhantes aos seus.
Dedico este post e os que ainda escreverei a todos aqueles que trazem alegria para o meu cotidiano. Sim, vocês, meus queridos. Os amigos conhecidos e desconhecidos de Renata B.

O Profeta Gentileza ou Quando o circo se foi.

“ Gentileza gera gentileza”

Alguns ignoram que, na dor, não há loucura ou normalidade, existem apenas formas de encontrar a sobrevivência. Para estes, José Datrino era apenas um mendigo maluco. No entanto, para os que se sentem tristes diante de um mundo tão intolerante, ele era um verdadeiro profeta, anjo anunciador de mensagens de amor e esperança para um novo tempo.
Nascido no
dia 11 de abril de 1917, em Cafelândia, cidade do interior paulista, este ser iluminado, desde a infância, já possuía um comportamento incomum. Aos doze anos de idade, dizia escutar vozes ancestrais, falava que, depois de constituir família, filhos e bens, teria que deixar tudo de lado para cumprir sua verdadeira missão na Terra.
E foi o que de fato fez. Após casar, ter cinco filhos e construir um negócio rentável, abandonou tudo em prol do desejo de espalhar pelo mundo os conceitos de gentileza,
caridade e paz. Segundo sua filha Maria Alice, houve uma noite, em que o Profeta, muito atormentado, se dirigiu ao quintal da casa onde viviam e cobriu todo o corpo com lama, remetendo à sua origem, e libertou os pássaros e galinhas num ato de protesto em favor da liberdade.
No entanto, a transformação definitiva de José Datrino no Profeta Gentileza deu-se
após a tragédia do Gran Circus Norte Americano em 1961. Um incêndio tomou conta do local matando quinhentas pessoas, quase todas crianças. Seis dias após tal
terrível acontecimento, José Datrino recebeu um chamado: deveria representar Jesus na Terra, ensinar o perdão, tentar ajudar as pessoas a se encontrarem com o seu verdadeiro eu.
Incompreendido por muitos, mas amado pelos que acompanharam sua luta por um mundo melhor, o Profeta Gentileza percorreu boa parte do país doutrinando, ensinando o respeito ao outro. Jamais aceitou qualquer dinheiro, era um homem de fortes ideais. Conforme Leonardo Guelmam, o Profeta Gentileza viu na derrota do circo queimado um mundo representado, porque o mundo é redondo e o circo é arredondado. Daí surge o mito originário, a criação e fim do mundo. O Profeta Gentileza acreditava que poderia reconstruir a humanidade.
Não diga “muito obrigado”. Para o Profeta, ninguém é obrigado a nada. Apenas pronuncie “agradecido”. Não peça “por favor”. Tal expressão remete à troca de interesses capitalista. Fale simplesmente “por gentileza”.
A Senhorita B. também acredita na transformação através da palavra. E, onde quer que se encontre, deve estar dizendo: “Profeta Gentileza, estou agradecida. Para sempre”.


Fontes e muito mais sobre o Profeta:
http://profetadegentileza.blogspot.com/
http://www.portalverde.com.br/fundacao_gentileza/o_profeta/profeta.htm
http://reposcom.portcom.intercom.org.br/bitstream/1904/18282/1/R2070-1.pdf

7 comentários:

ângela vilma disse...

É uma delícia ler o que você escreve, Renata. E maravilhoso perceber toda a dimensão humana e poética de seu universo, de seu texto. Coisa que comove a gente. Um grande abraço.

Renata Belmonte disse...

Ângela,
Esse seu comentário é que me comove.
Grande beijo.

katherine funke disse...

Que lindo, Renata! Excelente homenagem a quem tanto merece. E também um lembrete à importância da gentileza. Muito obrigada. E por favor, senhorita, continue mandando mensagens assim positivas com suas palavras.

Rafaela Magalhães disse...

Hoje uma grande amiga me agradeceu por tê-la ouvido e eu disse q não dissesse obrigada pq eu não tinha obrigação alguma para com ela e sim uma grande satisfação em dispor de sua confiança e cumplicidade. Hj abri minha caixa de e-mail e fui brindada com esse presente: um blog da Renata Belmonte!!! AGRADECIDA!

Renata Belmonte disse...

Oi, Rafa,

Agradecida por sua mensagem!
Beijos,
Renata

Anônimo disse...

Renata, Que bom que agora poderemos acompanhar seus textos, pensamentos e publicações através deste blog!!! Só me resta agradecer... Mary

Álvaro Andrade disse...

Que bonito, Renata!
Mas me explica melhor como ele deu essa benção ao blog, por gentileza? (sou curioso mesmo. rs)
Hum, então, não sei porquê mas quero te indicar um disco. Não chega a ser um disco voador, mas dizem (eu digo, na verdade) que pode fazer você voar por uns segundos, levitar mesmo. Talvez até mais que segundos. Tenho estudado isso. Qeria te mandar gravado, mas sou apressado e vou te mandar então, logo, o link pra Senhorita baixar. Coisas do nosso tempo :)
http://rapidshare.com/files/157395543/Little_Joy.rar

Espero que goste muito e voe uns segundos.

Bjo.