19 de jul de 2007

Do suposto paradeiro da Senhorita B.


As casas onde morei

Talvez seja só isso
entrar e sair de casas
partir e ficar de acasos,
desassombradas mãos vazias.

Caminhar até o fim, entre moradas e fugas.

Vanessa Buffone


Eu sempre suspeitei que a Senhorita B. estivesse hospedada numa das casas em que Vanessa morou. Ao reler este poema, quase tive certeza. É bem possível que estejam juntas. Elas, as minhas duas grandes amigas: a Senhorita B. e a Senhorita Buffone. Quanto a mim? Permaneço aqui, voltando aos meus livros. Porque cada saudade tem seu abrigo.

8 comentários:

Mayrant Gallo disse...

Renata, talvez você não concorde, mas está escrevendo boa poesia: "Permaneço aqui, voltando aos meus livros/ Porque cada saudade tem seu abrigo".

Renata Belmonte disse...

Mayrant,

Esse trecho é uma brincadeira com um dos versos do poema Casa da Saudade. Fiz apenas uma leve adaptação. Que bom que você gostou!
Abraços,
Renata

ângela vilma disse...

Concordo: poesia mesmo. E da boa. Abraços.

Anônimo disse...

Minha, cara, este um dos meus favoritos. Provavelmente de todos os tempos. Belíssima escolha. Aquele abraço. Thiago

aeronauta disse...

Dois poemas completamente agregados, cúmplices, belos...

Rodrigo Tássio Souto Guimaraes disse...

Renata..
Não conhecia seu talento de escritora..Fiquei feliz pelo seu sucesso doutora..fomos colegas na ucsal..Achei seu blog por acaso..Li alguns "textos" seus e adorei..
Abraço e tudo de bom
Rodrigo Souto(rtsg@pop.com.br)

Renata Belmonte disse...

Amigos queridos,

Obrigada pelos comentários!
Abraços,
Renata

Lidi disse...

Oi, Renata, escrevi isso no blog da aeronauta e repito aqui: você deve estar achando estranho eu comentar este post depois de tanto tempo que foi publicado, mas é que resolvi ler o teu blog e o da aeronauta do início, desde 2007. O único blog que acompanho desde a criação é o de Mayrant (ainda o Contramão), mas o de vocês não, perdi muito tempo sem acompanhar. Quero ler todos os posts agora. (rs)E concordo com Mayrant, você escreve maravilhosa poesia em meio à prosa. Beijo.