31 de mar de 2008

Como todos

Há quem acredite na sua suposta ignorância angelical, no seu silêncio absoluto. Vestida e devidamente sentada ao lado deles, ela os observa com alguma atenção. Infelizmente, pertence à linhagem, ao universo dos que pensam saber. Pensam. Não, ela não os conhece, mas os odeia com veemência. Eles e suas caras ansiosas, seus corpos fracos em busca de conforto, apenas com a letra escrita e imperfeita se satisfazem, são preguiçosos, demandam e legislam, só que nada entendem da matéria do mundo. Ainda na infância, seu irmão pequeno descobriu: você parece boa, mas é má. E desde quando, menino, você aprendeu a ler a minha alma? Nem eu mesma sei! Sentada ali, agora, ela pensa: talvez. Só que de nada importa. Porque vestida está como todos os outros.

3 comentários:

Luíza disse...

ó Reanata...saudade de comentar aqui e ler teus textos. Aliás, gostei desse.Bastante.
Beijo grande

Álvaro Andrade disse...

Ei, Renata, como foi lá?
Poxa, fiquei triste, mas não pude ir. Tive uma reunião importante que seria na quinta e foi ramarcada pra sexta, bem na hora. :/

Espero que tenha rolado como vc queria.

Bjo.

O Sibarita disse...

Fia ô fia! kkk

Pois é! Igualmente aos outros... Ai Deus do Céu! kkk

Com sempre, vc é a tal dos contos!

Oi, mil e uma desculpas se é que posso me desculpar, amigos, não podem ser abandonados, é ou não?

Ocorre dona moça que meu pai mora comigo e tem 80 anos. E nessa idade sabe como é... Ele adoeceu e ficou hospitalizado por um bom tempo ai fiquei sem vir sempre ao meu Blog e aos dos amigos.

Felizmente ele já voltou para casa, estando melhor porque foi implantado um marca-passo e olhe que ele já tem um válvula na cabeça por conta de uma Hidrocefália. Mas, tudo bem, a vida é isso..

Então, DESCULPA!

Bjs
O Sibarita