4 de dez de 2007

My Mac Happy Weekend(Meu Mac final de semana feliz)

Talvez porque a palavra esteja bastante desgastada. Talvez porque eu realmente não saiba o que ela significa. Mas uma coisa é certa: sempre que penso no que é felicidade, duas imagens vêm na minha cabeça. A primeira delas é a cena acima colecionada. A segunda é uma libélula morta exposta num quadro de vidro pendurado numa parede qualquer.
Dito isso, fica claro que tenho uma péssima impressão do termo “felicidade”. Ele me parece assustador, artificial, plástico e mentiroso. Não há nada mais terrível do que as promessas de vida que ele propõe sem sucesso. Guerras, drogas e antidepressivos são algumas das conseqüências dessa busca desesperada por algo que não sabemos exatamente o que é. Nos últimos tempos, o mercado de consumo criou a ditadura da felicidade e nós a aceitamos sem pensar. Internalizamos a idéia de que temos que sempre estar bem, malhados, bonitos, ricos, contentes... E coitado daquele que fuja desse padrão! Entra direto no bloco dos infelizes, passa a ser visto pelos “outros”(que se pensam felizes) como alguém inferior, condenado às profundezas malignas do mundo.
Não seria mais fácil se admitíssemos que este modelo de vida é incompatível com a natureza humana? Somos mutantes, inconstantes, variáveis. Como poderíamos caber em uma roupa só? Para mim, é claro que é impossível viver sem conflitos. E, sinceramente, agradeço por isso. É das minhas angústias e medos que nasce muito daquilo que escrevo. Chega a ser curioso: encontro enorme prazer em colocar no papel tudo que me incomoda.
Eu acho que o que verdadeiramente importa é sermos féis ao que acreditamos. Sem esperar nada dos outros, sem exigir deles qualquer adesão ao nosso projeto de existência. O nosso compromisso deve ser apenas este e ponto. Isso foi o que concluí com o desafio que propus.
Ahh... Que vergonha! Esse texto ficou meio auto-ajuda, não? Pena que não vou ganhar horrores de dinheiro com ele!(rs)
Abaixo segue o meu Mac final de semana feliz. Com ketchup e tudo mais.
Obrigada por terem topado o desafio. Espero que gostem dos livros que receberão.

Meu Mac final de semana feliz

Sexta= Me diverti bastante no casamento. Já no aniversário, tive que escutar as mesmas coisas chatas de sempre. (Está mais gorda/magra? Quais as novidades?). Quando, ainda na festa, a quinta pessoa me perguntou o que eu estava fazendo da vida, respondi, na frente de todo mundo, sem pestanejar:
- Nada. Parei de trabalhar. Só penso em me casar.
É óbvio que o povo ficou horrorizado. Mas valeu a pena, sabe? Desde então, só faço dar risada dessa cena que protagonizei.


Sábado= Tive quatro eventos. Todos foram relativamente bons. Gostei mais do último. Adorei saber que minha tia-solteira-convicta anda arrastando asa para um colega de trabalho recém-saído da adolescência. E que ela só pensa em Sex and the city. Tudo bem que ela descobriu o seriado tardiamente, mas achei muito moderno da parte dela admitir isso.


Domingo= Passei o dia lendo. Comi Mac Donalds. Engordei vinte quilos. Assisti um filme chamado Amigas com dinheiro. Me lembrei que ficarei sem dinheiro: preciso comprar os presentes de Natal de minhas amigas.

Cena inicial do filme Cidade dos sonhos de David Lynch.

9 comentários:

Personagem Principal disse...

Tá, tá, tá, mas eu ganhei alguma coisa? :)

O Sibarita disse...

Ê Parrê Minha Iansã! Peço sua licença para falar com essa sua filha, eu sei dona moça que sua cabeça é de Iansã! kkkkkkkkkkkkk

E ai? Foi ao mercado de Santa Bárbara comer o caruru? Foi não, é? Xiiiiiiiiiiiiiii.... kkkkk Perdeu! Foi em algum terreiro benzer a cabeça? Também não foi? Ai Iansã, essa sua filha tá dando mole! kkkkk

Ah sei, vai no dia 08 para a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, a rainha das àguas! Sei não, viu? kkkkkk

Agora, voltando ao seu texto, realmente é um pé no saco esse conceito esteriotipado de felicidade.

Felicidade para mim é aquela em que podemos fazer os menos favorecidos sorrir um pouco amenizando o seu sofrimento e que por extensão também nos deixa feliz, felicidade é aquela em que estendemos a mão ao nosso semelhante com respeito, carinho e compreenção.

A felicidade não tem padrão (como você mesma diz), não tem parâmetro e não tem conceito, quem os tiver que atire a primeira pedra. E quem quiser que gaste sua grana enchendo as burras dos autores desses psêudos livros de auto-ajuda. kkkk

Uaai!kkkk Seu texto é um manual de auto-ajuda minha fia, é? kkkkk Então, vai ficar cheia de grana é só coloca-lo à venda! kkkkk

E quem lhe disse que eu internalizo a idéia de que sou bonito, rico e malhado? kkk Eu sou é assanhado viu? Rimou com malhado, foi? kkkk

Oi a boniteza que me interessa é a que vem de dentro, a de fora, não tô nem ai para ela... kkk Carl Jung há muito tempo já disse: " O que está dentro, está fora!" Nunca ao contrário e ai? kkkkk

Olhe, sem querer ser chato, eu sou a sexta pessoa a lhe perguntar: O que você está fazendo da vida? kkkk Sei, Nada. Parou de trabalhar. Só pensa em se casar.(rimou)kkkkkkkkkk Ah que bom, eu adoro bolo de casamento! kkkkkkkk Xiiiiiii... me lenhei, ela subiu nas tamancas! kkkk Vá jogue duro em cima de mim, mereço, eu sei! kkkkkk

Ei comeu mac, engordou? kkkk Já lhe disse você é bonita por dentro e é o que vale, por fora não quer dizer nada, então, mãos e boca aos macs!kkkkkk

Psssiuuuuuuu, diga-me, você só está pensando nos presentes das suas amigas? Ah, não! kkkk E nós os seus leitores não ganhamos nada? kkkk Sei que você é uma pessoa bondosa, vai nos inclua na lista dos seus presente ou vou dar queixa no procon , você é quem sabe! kkkkkkkk

bjs.
O Sibarita

Kátia Borges disse...

Oi, Renata, achei a promoção bacanérrima. Mas meu final de semana foi meio... Só falarei da parte boa: Fui ver Marina Lima no sábado, jantei com o meu amor no Extudo depois, dormi bem, embora de madrugada, acordei tarde, almocei fora e trabalhei das 15 às 22 horas, mas foi um trampo legal, sem dramas. Enfim. O próximos será melhor: é meu folgão!

aeronauta disse...

Ah, Renata, meu final de semana foi tãaaaao chato! Até o filme de Noel, que fui ver no Cinema do Museu, não me agradou!

Ricardo disse...

oi....
seu post está muito bom.
é interessante ver como os signos linguísticos variam de pessoa para pessoa. as ideias que vc tem de felicidade são muito particulares. e isso não significa que sejam ruins. as pessoas é que estão acostumadas com aqueles estereotipos clichezados.

postei la no meu blog, falando brevemente algumas coisas....

bjo

Luíza disse...

bom.. como eu não participei da tua genial idéia, já podes imaginar que o meu fim de semana não foi dos mais legais.. no sábado estudos, e domingo sozinha em casa...
mas o próximo será melhor.. assim espero!
Beijoss

anjobaldio disse...

Ôi Renata. Muito bom teu texto, ainda com David Lynch (um dos meus favoritos).
Breve você assistirá ALICE. É uma de minhas experiências com vídeo.
Até mais, Bjs.

Lidi disse...

Acredito que temos momentos de felicidade. Aposto que, quando o menino do post "A criança e eu" te falou que estava escrevendo um livro, você ficou feliz. O mesmo acontece comigo: me sinto feliz sempre que acesso teu blog.

Lidi disse...

Ah, adoro ler, também, todos os comentários. Aprendo muito. E me divirto com os de O Sibarita. (rs)